Umas, novas, Idéias

Tuesday, October 04, 2005

Poema é bicho que deixa pegada


Olá amigos deste blog. Depois de muito tempo uma história de minhas mais iniciais lembranças da faculdade volta para me fazer achar graça de mim mesmo. Pois é, para os que me acompanham a mais tempo, seja no orkut ou nos debates do NEPA, sabem que há muito tempo escrevi um poema para uma menina enquanto ela dormia do DA de letras da UFF e deixei o texto sobre seu corpo sem assinar. Bom , acabei descobrindo que ela utiliza o poema como definição no seu orkut pessoal e acabamos mantendo contato por um tempo através da já supracitada ferramenta online. Caíndo outra vez nas vertentes da memória, acabamos não nos conhecendo pessoalmente até poucas horas atrás quando nos encontramos nas mesinhas do Alex e eu a reconheci enquanto sanava minha divida de dez centavos. O detalhe é que só percebi que era ela porque notei sua tatuagem na cintura. Meu Deus, ela é real. Lembrei-me então de Álvares e suas virgens pálidas e inatingiveis; pensei nas musas de Camões e até me veio a memória o grupo do conversando literaturas com suas questões sempre pertinentes acerca de assuntos femininos. Ela realmente existe amigos e ainda pude perceber que seus olhos são mais belos vistos de perto do que quando imaginados. A comédia ficou por conta de umas amigas dela que estavam numa outra mesa e que indisfarçadamente pareciam conhecer a história do poema e comentavam entre risinhos enquanto tentavam não serem percebidas. Bom isso tudo é muito legal pois faz parte dessa sensação que me vem agora gritando: Você não fez nada... é, acho que não fiz nem disse nada que pudesse me deixar pior. Essa vida de professor, aluno e espaço deve caber mesmo certinha no meu número de alma. O importante para mim foi ter descoberto que ela é real, que por trás daquelas palavras que escrevi há alguns anos atrás não residem só emoções imaginadas ou imagens inventadas. Ela se desenhou partindo em meus olhos, não sei se pra sempre, não sei se até quando... e olha que nem pude notar as pegadas que sobem por sua nuca.

4 Comments:

  • At 3:47 PM, Blogger Clarissa said…

    Ainda não li o post todo , mas só tenho 1 coisa a dizer: nunca fui citada no seu blog :c

     
  • At 8:51 PM, Blogger Marlon Magno said…

    Pegadas magistrais as que sobem pela nuca lisinha desta mulher diáfana que durante a madrugada, através de seus olhos, se oferece a mim também (perdoe a intromissão). Fiquei curioso para vê-la melhor, vai me desculpar de novo, a culpa é sua por me instigar desse jeito...

     
  • At 10:43 AM, Anonymous Robson Bahiense Tambarotti said…

    você conheceu a poucos dias... eu não há vejo (ao vivo) a uns vinte anos. Lembro de uma garotinha linda, olhinhos pequenos,um sorriso iluminado e umas bochechas que dava vontade de morder... hoje parece que só aumentaram as proporções. Quanto a morder as bochechas... já deve existir algum privilegiado de Deus. Se ve-la denovo, mande um beijo meu.

     
  • At 10:55 AM, Anonymous Robson Bahiense Tambarotti said…

    correção...
    você conheceu a poucos dias... eu não há vejo (ao vivo) a uns vinte anos. Lembro de uma garotinha linda, olhinhos pequenos,um sorriso iluminado e umas bochechas que dava vontade de morder... hoje parece que só aumentaram as proporções. Quanto a morder as bochechas... já deve existir algum privilegiado de Deus. Se ve-la denovo, mande um beijo meu.

     

Post a Comment

<< Home