Umas, novas, Idéias

Saturday, March 18, 2006

Duas Palavras





Tens uma cruz pousada em seu colo,
A zelar por qualquer sentimento alterado...

É mais:
São seus ombros recebendo a folga dos cabelos
E o negro indo de encontro ao alvo
e tudo muda nas indicações de seu queixo
no nexo da mente resistindo o entender...

(A medida exata entre teus ombros,
A distância certa do olhar,
O meio sorriso dos lábios criadouros,
Nada disso conheço,
Mas posso desdizer meu medo
E estampar de novo teu nome junto ao meu.)

Tens uma cruz exposta no peito:
Meus braços abertos,
pregados em ti.

9 Comments:

  • At 11:10 AM, Blogger ariadne said…

    O q eu achei?

    Excelente. :-)

     
  • At 11:41 AM, Anonymous Pamina said…

    Uma palavra: AMEI.

    Ganhei mais um testimonial? ;)

     
  • At 2:38 PM, Blogger Tatiana said…

    lindo, meu bem, lindo!

     
  • At 7:10 AM, Blogger Douglas Evangelista said…

    Cara, entender de poesia eu não entendo - aquela coisa crítica mesmo, sabe? -, porém senso estético nóis tem. Gostei. Achei o desfecho foda, uma imagem bonita, cruz/braços abertos pregados (não teve jeito, pensei NELE).

    Abraço.

    Ps: Porra, sábado não dá pra mim, cara. Só se for um domingo e se eu estiver de folga. Vou ver minha escala, se vocês puderem marcar uma edição dentro dela seria show. Tô muito a fim de ir sim, conhecer a galera, trocar idéia e tal. Ah, o Marlon me contou que tua mãe manda muito bem nos quitutes. Hahaha. Inté.

     
  • At 6:42 AM, Blogger Brownie Berardinelli said…

    O poema é bom, mas acho que o fato mais relevante a se ressaltar aqui é que está rolando um clima. No meu tempo, se você escrevia um texto desses pra uma menina era obrigatório o pedido de casamento, ou pelo menos um noivado. Pois é, como gosto dos dias de hoje! Belo texto Jovem Bilac, mas convenhamos que não foi difícil escrever para a Pamina. Grande Abraço.

     
  • At 6:43 AM, Blogger Brownie Berardinelli said…

    This comment has been removed by a blog administrator.

     
  • At 6:45 AM, Blogger Brownie Berardinelli said…

    Aliás, havia me esquecido, minha avó sempre me dizia: "Browninho meu neto, quando for escrever pra uma menina certifique-se de que ela não sabe ler." Nunca entendi muito bem essa frase de minha avó, mas trago-a comigo até hoje

     
  • At 4:04 PM, Blogger Lara said…

    Se vai rolar casamento ou não eu sei lá.
    Mas que o texto descreveu a imagem a altura não tem como negar.

    Lindos!

     
  • At 3:41 AM, Blogger Máximo Heleno Lustosa da Costa said…

    Bom texto. Resta saber se é um poema universal ou pessoal (um presente)... ou se conseguiu o mérito de sendo pessoal e bom ser também universal e bom... aí, bem, não sei não...

    Gosto da descrição da "cruz exposta no peito" pregando salvações...

     

Post a Comment

<< Home