Umas, novas, Idéias

Sunday, November 19, 2006

ORAL



A língua passeia nos lábios-
Grandes-
Extensão completa dos lábios,
Carne úmida e trêmula
À porta do espaço vazio
do vão.

Encontra entre o caminho
O ponto exato
A voz de um arrepio
Que perpassa o corpo e os pêlos
E esvazia a alma num espasmo
Incompleto e arredio.

Aos poucos,
A carne esvazia a carne
E deixa gosto de vida.
É um agradecimento líquido
Invade, novidade e deita
Sobre o ar
Um espaço de entre...
Começo, fim, começo.

Aperta os seios,
A calma dos seios...
As pernas fingindo.
Tudo normal no abraço -
igual ao início de todos os sonhos.

2 Comments:

  • At 3:09 PM, Anonymous juliana said…

    Bocage total!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!11

     
  • At 3:10 PM, Blogger Carmem Luisa said…

    Gostei, principalmente pelo enredo que se formou ao longo da poesia. Como um certo filme diria: "vamos por partes". Ficaram claros os sentidos e você deu uma volta toda para falar de uma única coisa: sexo. Gostei dessa idéia, mas acho que o poema poderia retratar mais imagens.

     

Post a Comment

<< Home