Umas, novas, Idéias

Friday, November 11, 2005

O tempo que esqueci ter...


Na noite desta última quarta-feira pude perceber a velocidade com que as coisas mudam. O tempo é implacável, até nos segundos. Era a primeira vez que retornava da faculdade após ter me mudado de residência e de cidade. Caminhada até o terminal, meia hora de ônibus até a nova casa. No caminho, ainda pensando nas discussões do conversando literaturas, me vieram diversas inquietações sobre a hora, o espaço já percorrido e o que ainda faltava. Assim, depois de dois longos minutos de auto-reclamações, tive uma sensação diferente. Meus olhos presos à paisagem, que apesar de feia me intertia dolorosamente como um sarcasmo. A cabeça imaginando coisas, pensando pessoas e frases de um vazio lascivo. Nem pude reparar o número de gente diferente que sentou ao meu lado. Viagem longa. Memória se refaz e me leva aos tempos em que morei no Rio e perdia horas inteiras em engarrafamentos até chegar em casa. Voltei aos dias em que os bancos dos coletivos me aprisionavam na solidão do pensar. Meus olhos seguiam presos à janela fotografando o caminho ainda novo. É bom saber onde se está para se perder melhor. Tinha em mente tantas idéias irresistíveis sobre contos, romances, críticas; especulações sobre os resultados dos concursos que estou participando e seus possíveis desdobramentos (coisas inimagináveis num ambiente normal e são). Apreensão. Dei conta que tinha perdido esse tempo que sempre me foi tão produtivo e solitário nos caminhos de volta para casa. Enquanto morei por perto tudo era muito curto: idéias inacabadas, rostos indefinidos, mal dava para amar alguém. No bem, formulava erroneamente um pensamento entre um ponto e outro. As pessoas iam descendo e deixando dentro do coletivo um ar maior de resignação por mais um dia perdido. Quem tem pressa de chegar? Aonde chegar? Para quem e para quê chegar? A hora de descer se aproximava, malditos pontos de referência! A rua semi-escura, paralelepípedos desencontrados, a lixeira me fazia recordar o portão certo. De volta ao convívio, distante novamente de mim, sobrou a certeza de que esqueci todas as mirabolantes idéias que tive, todos os contos, novelas e romances que subterraneamente escrevi no coletivo, todas as formas que pensei para dizer o que quero dizer para quem quero dizer... quem sabe se me lembrasse ao menos disso voltaria a ter pressa em chegar.

5 Comments:

  • At 6:01 AM, Anonymous Anonymous said…

    eLong Beats on Adjusted Basis; Continues to Invest for the Future of...
    The China Stock Blog News and analysis of US-traded Chinese and China-related stocks.
    Find out how to buy and sell anything, like things related to instant road repair on interest free credit and pay back whenever you want! Exchange FREE ads on any topic, like instant road repair!

     
  • At 8:45 AM, Anonymous Ivan Ciclobásico said…

    bom texto... um ônibus é uma boa oportunidade pra pensar em coisas que logo a gente esquece, porque talvez, talvez, haja uma vida pra viver, embora não se saiba exatamente para quê. Abraço!

     
  • At 1:17 PM, Blogger Clarissa said…

    Adoro viagens de ônibus ... já votei no concurso ...tô com preguiça de comentar ...depois volto ou comento no próximo ...mas gostei do post...
    bjssssssssss

     
  • At 6:54 AM, Blogger Rômulo said…

    Concordo com o Ivan. O nosso projeto começou a ser escrito durante uma viagem de ônibus, entre balanços, músicas e conversas de passageiros muito inspirados.

    Um abraço,

    Rômulo

    Ps.: Dessa vez, prefiri omitir a minha crítica...

     
  • At 10:30 PM, Blogger Marlon Magno said…

    Assustadora sua crônica, rapaz. Quando mudei pra lá também procurava pela lixeira para não entrar no corredor errado. E a viagem de volta é massacrante mesmo, quantas boas idéias deixei pra trás, tem razão, tem razão! Quantas vezes chorei naquele 532M, todo mundo me olhando, as velhinhas perguntando seu me sentia bem e eu só escondia a cara pra não passar pela humilhação de ser digno de pena...

    Tente ser feliz na nova casa, faça isso por mim, ok?

     

Post a Comment

<< Home